sexta-feira, 9 de janeiro de 2009


Humanização em Enfermagem.



Tenho minhas reservas quando ouço falar em humanização. Na verdade tenho visto ultimamente um grande mercado de palestras, cursos, workshops , Seminários e até Congressos que insistem numa fórmula de ensinar-nos a sermos humanos.



Partindo do príncipio que somos essencialmente humanos e que nada nos tira esta condição, podemos dizer sim, que temos momentos que esta condição parece não nos ser peculiar. Como posso dizer? Primeiro que não podemos prometer o que não podemos cumprir, não venha me dizer que com 24, 36 horas de sono você continua sendo aquele “’anjo da Enfermagem’’ que um dia lá na faculdade prometeu ser! Não me diga que com 25, 30 leitos para cuidar você consegue dar aquela atenção merecida de cada um sem se estressar nem um pouquinho!!! Nem me fale que você consegue se manter firme e forte num lugar que nada funciona, não tem material e ainda assim você tem que tirar leite de pedra, por que você é da Enfermagem!!ora!! e se não funciona foi por que “’você’’ não deu jeito! Por que se você conseguir essa proeza, você com certeza não é humano!!



Todos criticam, falam, protestam, ensinam fórmulas as mais diversas, mas se esquecem de um detalhe muito importante, você também é gente! Não pode simplesmente subestimar os seus sentimentos e nem dizer que vamos ser felizes para sempre”’ Eu e a Enfermagem’’ por que não vai! É uma relação e como toda boa relação de vez em quando é bom sentar e discutir os rumos que esta relação está levando, é difícil, claro, mas necessário, já vi muitos se queixarem de trabalhar muito, mas não vi procurar soluções para trabalhar menos, como por exemplo estudar mais um pouquinho. Ou mais fácil, traçar metas alcançáveis e não se fazer de provedor e super-herói da família, sendo a única e exclusiva tábua de salvação de todo mundo, por que se você morrer de estresse ou de outra doença ninguém vai morrer com você, e com certeza vai continuar vivendo e dando jeito para isto.



São coisas que a gente não gosta de ouvir, mas só quem já trabalhou até 60 horas de plantão é que sabe muito bem como se processa esse tipo de coisa, a cobrança é grande, os profissionais estão ficando doentes, a assistência não é boa, o Estado precisa pagar uma fortuna para que este profissional tenha ânimo para trabalhar e com isso se mata dia e noite dentro de um hospital para que um monte de gente usufrua de seu dinheiro suado e batalhado, por que se for apenas um salário fixo, aquele “’anjo da enfermagem’’, profissional dedicado, que arranja tempo até para fazer o SAE simplesmente desaparece!!!



Fiz o texto abaixo no meu terceiro período da Faculdade, e mostrei para alguns professores e para minha surpresa, todos gostaram muito e elogiaram, mas continuam pregando o contrário, esse negócio de dar palestra sobre humanização deve render uma boa grana, por que ainda não vi nenhuma dizer que você tem que se policiar e parar com esse vício de trabalho!! E mesmo reconhecendo, tal item não vai para a palestra.



O mais interessante de tudo é que o termo humanização só é direcionado a nós da Enfermagem, ainda não vi palestra para médico, dentista, fisioterapeuta ou para o recepcionista que trata mal o paciente na entrada do hospital, ou ainda para o bancário ou para o atendente da drogaria, para o motorista de ônibus, ainda não vi essa tentativa de resgate da essência humana para estes profissionais que tantas vezes nos tratam como se nós não fossêmos humanos.



A quem é da Enfermagem, a quem está chegando da Enfermagem, e para quem é de fora, leia o texto e diga me se há como conciliar bom humor e cansaço, saudade da família e 36 horas de plantão, saudade de viver e mil obrigações. Eis o texto:



DESUMANO, EU?


Humanizar – tornar-se humano,afável

Nos últimos tempos ouve-se muito falar em humanização para os profissionais de saúde, aliás
especificamente para os profissionais de enfermagem. Existem milhares de cursos,palestras, congressos, encontros debatendo a fórmula de fazer o que já está feito, porém adormecido, estagnado, suprimido, amordaçado digamos. Partindo do princípio de que somos e nascemos essencialmente humanos , então... quem nos desumanizou? Quem conseguiu, chegar em nossa essência e nos...desumanizar? Quem deu este direito de chamar seres tão especiais como nós de desumanos? Quem chegou a esta conclusão de que precisamos ouvir ou reaprender a sermos humanos assistindo palestras ou pagando fórmulas mágicas para voltarmos para os hospitais mais... HUMANOS?



Analisando criticamente, o que nos faz dizer na Universidade ou no curso profissionalizante que amamos a Enfermagem ou que este é o nosso sonho de criança e que seremos felizes para sempre até que o cansaço e o estresse nos separe?


Talvez por que não possamos amar quem não conhecemos o suficiente no dia a dia, não podemos viver este sonho na sua plenitude até que as dificuldades cheguem também. Por que o trabalho também é uma relação e como toda boa relação tem seus altos e baixos, precisa ser discutida de vez em quando, precisa ser reavaliada se ambos estão satisfeitos, se alguém está perdendo ou se doando demais sem retorno, ou seja precisa ser repensada de vez em quando.


Quando ouvimos que estamos desumanos, esquecemos de perguntar a quem nos profere tal injúria, se este sabe o que é trabalhar 12,24,36,48 hs de plantão, se sabe o que é passar natal, ano novo, aniversário do filho, marido ou o próprio dentro de um hospital ou numa ambulância, se sabe o que é ter o direito de trabalhar somente 10 dias no mês, porém com um salário que te faz somente sobreviver e você vai atrás de mais um para poder ter uma vida decente, será que ele sabe o que é ouvir gritos de dor, de choro por perda do ente querido, de sofrimento, será que este sabe o que é ouvir ‘não deixa que eu morra enfermeira, tenho filhos para criar’e saber que não tem mais solução para aquele indivíduo, será que sabe o que é ter dois,três empregos e ter que ir para a aula morto de cansado porque não dormiu na noite anterior? e ainda saber que tudo o que acontece a culpa é da Enfermagem, mesmo que esta seja inocente? Será que ele sabe o que não é ver o filho crescer por que você estava de plantão? Será que ele sabe o que é trabalhar num sistema inchado que não tem mais como atender dignamente e ter que dar jeito para tudo por que você é da Enfermagem ,claro! Quem nunca ouviu esta frase “Fala com o pessoal da Enfermagem eles resolvem tudo!”Será que sabe o que é aferir 400 sinais vitais em 12 h? será que tem algum curso de humanização que fará este funcionário atender o ultimo paciente igual ao primeiro? E que isto só acontece por que alguém da ENFERMAGEM não consegue enxergar a necessidade de revezar o funcionário? Será que sabe o que é largar o prato para atender uma urgência no sol quente de meio dia? Será que não é o sistema que é desumano?


Não temos direito de ficarmos cansados, porque somos taxados de estressados,não temos o direito de estudar porque o horário é sempre apertado e temos que fazer mil trocas e ajustes para poder fazermos alguma coisa por nós e sempre tem alguém querendo desistimular , e você só quer ganhar mais um pouco ,porque trabalhar menos é ilusão!



Se não bastasse tudo isso, o estigma de “ser da saúde” nos persegue em todos os lugares. Nossos livros são caros, a mensalidade da faculdade é caro, nossa roupas brancas e sapatos também são absurdamente caros! congressos, workshop, encontros, cursos também não ficam atrás, mas por que? Por que o que se tem em mente é que os profissionais de saúde ganham muito bem!Porém um mês com 31 dias torna-se pequeno para tanto plantão, escolha: ganhe bem e viva mal, ou ganhe mal e viva bem porém sem muita expectativa de ser alguém.


Enfim quando entramos nesta vida com certeza não sabíamos o que nos esperava, porém precisamos saber dosar o cansaço e os horários, precisamos saber e conhecer nossos limites, nos policiarmos para que não façamos do paciente o nosso alvo de discórdia, precisamos lembrar que também somos GENTE igual aquele que está no leito precisando de nossa ajuda, mas como fazer se a carga é grande, se também temos problemas financeiros, conjugais, familiares e de toda ordem que os HUMANOS possuem? Precisamos rever nossas escalas, nossos horários, nossas metas, nossa vocação, é isso mesmo que eu quero? Enfermagem não é só se vestir de branquinho, com um esteto no pescoço e dizer EU AMO A ENFERMAGEM!é muito mais que isso, é transcender tudo o que você é e foi até hoje, doar-se para alguém não é tarefa das mais
fáceis ou agradavéis especialmente para quem não conhecemos, e num local em que nada funciona e tudo você tem que resolver, temos que lembrar que nós existimos, que nos amamos acima de tudo, que temos o direito de ficar doentes, temos o direito de comer em paz, de descansar, de passear, de brincar com o filho, de namorar, de ser alguém de verdade, de mostrar que nosso trabalho tem valor e ele precisa ter um preço digno, por que você não é só uma figura que se veste de branco com um sorriso no rosto e uma palavra de conforto para dar aos seus doentes, você tem família, compromissos, problemas, sonhos, projetos, ambições e ninguém pode nos privar destes direitos, temos direito de sermos até HUMANOS!

4 comentários:

ODI disse...

Gostei de saber que vc escreve...gostei de ler tudo..parabéns..vc conseguiu definir a enfermagem varias vezes..

beijus

franci bahamult disse...

fazer o bem sem olhar a quem se é que isto lhe convem

gecianacoelho disse...

Olá colega, visitei seu bloger e tive oportunidade de lê alguns do seus textos.Sua disposição pra escrever é de causar inveja.
Ousadia, uma característica exclusivamente sua é o que compõe todos os seus textos.
É muito bom saber que ainda existem mulheres que escrevem e que através das palavras busca resgatar o valor de cada alma feminina.Gostei muito do textos e farei questão de visitar mais vezes. Abraços

Anônimo disse...

gostei!!!