terça-feira, 20 de janeiro de 2009

VOCAÇÃO




Quando eu era criança gostava de ler bulas de remédios e de desenhar casas.



E lendo as bulas me acostumei com aqueles termos: stafilococcos, streptococcos, síntese proteíca, meia-vida, interações medicamentosas, queria entender o que não era de fato compreensível para mim.



As fachadas de casa sempre me encantaram, amo observar aqueles detalhes, gosto de desenhar, criar móveis, aqui em casa é assim, cada canto e móvel tem minha assinatura!!


As portas das edificações se fecharam antes de serem abertas, não por mim, mas por
terceiros.


Mas as da saúde não. Elas se abriram devagarinho, tímida com medo de não ser aceita e hoje não sabemos viver uma sem a outra. A gente briga, discute a relação, mas sempre ficamos bem.



Meu filho quando era menor, lá pelos seus cinco anos foi influenciado por mim para fazer medicina quando crescesse, mas foi ele que me ensinou que isso não se influencia.


Aos sete anos chegou para mim e disse que não queria ser médico! por que médico não inventa nada!! e ele queria inventar, queria construir rôbos, aprender japonês e ir para o Japão por que é lá que mora a mais alta tecnologia!! quero ser cientista, dizia ele.


Achei que fosse uma fase, mas gostei de sua atitude de dizer o que queria. Claro que respeitei sua condição e procurei uma escola de japonês para ele, matriculei-o e ele está estudando até hoje. Fala de seu futuro como um visionário e eu apoio os seus sonhos. Hoje tem 10 anos vai fazer a sexta série e continua dizendo que quer ser cientista e viajar para o Japão, e continua estudando japonês.


Não quero que ele seja frustrado , afinal é uma escolha para o resto da vida. Dou as condições para ele e só quero que ele se forme e seja alguém no que escolheu, por que com certeza será muito mais fácil.

E vendo-o feliz e sonhador como eu, não poderia deixar de ficar feliz também

Hoje sei o quanto é difícil estudar e trabalhar, mas pelo menos faço o que gosto e amo o que faço e ele vê a minha dificuldade, pois levo-o para todo lugar, até para a faculdade!!

Orgulhei-me de vê-lo aos sete anos decidido e pronto para dizer o que quer, quero que lute pelos seus sonhos, nada de trocar de sonho só por que desta vez não deu no vestibular.


Serei sua maior incentivadora, afinal quero ser mãe de cientista que na verdade é um Engenheiro Mecatrônico!


Fiz o texto abaixo no segundo período na UFAM e ainda estava na transição da Faculdade particular e a pública, fiquei tão estarrecida que escrevi o que vivi.


Eis o texto:


Tive uma grande satisfação por ter descoberto o começo de uma história que há muito vinha querendo entender.

Esta grata oportunidade aconteceu em uma aula de Sociologia. Ali descobri por que há tantos profissionais enfermeiros frustrados.
Quando indagados pela professora de Sociologia porque estavam ali cursando Enfermagem, tive a enorme surpresa em ouvir de mais de 90% da sala que ali estavam por que não haviam passado em Medicina, ou em Odontologia e até que na hora de escolher escolheram Enfermagem "não sei por quê".

Fiquei muito decepcionada e triste. Ouvi numa outra Faculdade particular que cursava antes as mais diversas explicações quanto ao estar ali, mas...não ouvi isso, todos estavam conscientes de que haviam escolhido Enfermagem!

E ouvi nesta Universidade pública, com um vestibular concorridíssimo, que consome horas e dias desses jovens, que anoitecem e amanhecem estudando, que deixam a balada, os amigos, o namorado para se dedicar única e exclusivamente a uma prova de vestibular em que o curso era relegado ao plano B! que parecia que estavam estudando para não ficarem sem fazer nada ou pior,que não faziam noção do que estavam cursando.

Anos de estudo, horas de cursinho, horas de dedicação para ficar com um curso que não se sabe no que vai dar!

Percebi nesta hora que o valor do Enfermeiro na Sociedade ainda não está valorizado, que só serve para o papai e a mamãe a Medicina, Odontologia e Direito. Enfermagem talvez nem tenha sido festejado, como se num hospital os médicos trabalhassem sozinhos e brilhassem sozinhos!

Quantas vezes esses jovens foram estimulados a fazerem Medicina?

Quantas vezes foram cobrados?

Quantas vezes choraram por não terem passado ?

Quantas vezes se orgulharam em dizer "eu vou cursar Medicina"!

E o pior, acham que estão perdendo "tempo" por que a idade está chegando!! imagina a idade chegando com 19, 20 anos!! E precisam cursar qualquer coisa, nem que seja Enfermagem! Esse curso chinfrim que fica para quem sobrou de Medicina e o pior quando se formarem muitos vão competir com o médico, vão prescrever sem poder, vão entubar sem permissão, vão viver numa briga pessoal sem fim, frustrados por que não tiveram coragem de estudar mais um ano, dois ou três, seja lá quantos forem preciso para serem Médicos.

Mal sabem eles, que a Enfermagem é nobre, é organizada, tem no seu Código de Ética o sustentáculo da sua funcionalidade, mal sabem o quanto o Enfermeiro é peça chave num hospital, o quantos os Auxiliares e Técnicos de Enfermagem possuem sua importância na rotina de um Spa, hospital, pré-hospitalar ou seja lá onde for.

Enquanto num Spa há seis médicos, a Enfermagem possui 15 Técnicos de Enfermagem e um Enfermeiro para trabalharem e fazerem o hospital funcionar.

E não somos secretário de médico não!!, A Enfermagem tem sua equipe, nosso trabalho é dentro da equipe multiprofissional, não somos subordinados a Medicina como muita gente pensa.

Quem dá jeito em tudo?

A Enfermeira, que precisa ser polivalente, sábia, advogada, psicóloga, administradora, mãe, Assistente Social e é um ser holístico como é tão pregado na Graduação para poder dar conta de tudo, é este profissional que luta tanto no dia a dia e vem as vezes desses alunos que sobraram da Medicina.

Usando as palavras de minha professora, “nós precisamos ser o sujeito de nossa história, enquanto vivermos o sonho de nosso pais, da sociedade e de nossos amigos, viveremos assim sendo a sobra de alguma coisa que fracasssou’’.

São jovens e cheios de sonhos, com meus 37 anos disse a eles:

“Se vocês querem realmente ser médicos, tentem, mas tentem todos os anos até passar, se formem em Enfermagem, mas não desistam do sonho de vocês, se este é realmente é de vocês, mas não fiquem aqui na profissão para depois serem frustrados e infelizes”.

Eu já sonhei um dia com a Medicina, por que não conhecia a Enfermagem, e quando passei a fazer parte da equipe, descobri o quanto poderia abraçar a minha vocação sem ser necessariamente uma médica.

A Enfermagem é uma profissão, que necessita de uma vocação, uma paixão que precisa ser vivida, uma doação sem fim, um limiar entre o humano e o transcendental, uma provação todos os dias, uma prova de humanidade diária, uma remada contra a maré, é trabalhar onde nada funciona, mas tudo que ter jeito, é conviver com a perda e com o ganho, com a vitória e com a derrota, com a esperança e com o desengano, com as fases de quem está crescendo e com as fases de quem não tem mais jeito, é dizer parabéns mãe!! Ou sinto muito ele veio a óbito”.

Enfermagem é isso pessoal, precisa sim, de Sociologia, Psicologia, Filosofia e muita Ética! O que vejo é que há muita falta de orgulho em ser Enfermeiro, talvez por que ainda não perceberam o quanto os pacientes e acompanhantes gostam de nós, por que estamos lá 24 horas com eles, conhecemos todas as suas necessidades e suas manhas, estamos lá firmes e fortes para qualquer intercorrência, conhecemos o paciente muito mais do que o médico, somos pessoas extremamente observadoras e nem nos damos conta disso.

Falta também acabar essa disputa de Medicina x Enfermagem. Trabalhamos em prol do bem comum do paciente e não precisamos nos degladiar diariamente para mostrar quem é o melhor. A medicina tem o papel dela e nós temos o nosso! Eles têm o valor deles, e nós temos o nosso.
Nossa união é que faz o resultado final, e não a nossa ruptura.
Enfermagem é realmente a minha praia e agradeço muito por ter chegado por aqui aos 38 anos, mas sabendo o que realmente quero, sem papai, nem mamãe para dar satisfação.
















2 comentários:

Erasmo disse...

Minha amiga.
Conform4 vc me pediu e eu não poderia de deixar de atender um pedido seu.
Aqui esta meu comentário:
Meus parabéns, pessoas como vc é que precisamos em maior número na enfermagem. Que não tenha medo de dizer o que pensa e expor seus pensamento e finitudes com a profissão.
Então...
De um profissional para outro.
Parabéns e continue assim.
Tudo de bom sempre e muito sucesso.
Erasmo Vieira
Enfermeiro.

franci bahamult disse...

A vocaçao arremete aos sonhos...
Estes, os sonhos, sao ditos como motor da vida de tal sorte que aqueles que não os nutre sao taxados como ja mortos em vida
Neste contexto quero agregar valor ao texto desatrelando sonhos de vocaçoes
Sonhos nao tem parametros, nao tem limites e, o mais importante, não são datáveis, esta ultima peculiaridade torna os sonhos tão solidos que se desmancham no ar
Então quando morrem os sonhos? nunca! estes evoluem para metas! estas sim datáveis, ao passo que uma pessoa não morre concomitante a morte de seus sonhos, eles, os sonhos, viram metas